Censura: Liminar obtida pelo deputado Heitor Shuch(PSB-RS) censura jornal da CUT-RS contra reforma da Previdência

Do site CUT-RS

O juiz Assis Leandro Machado, da 3ª Vara Cível da Comarca de Santa Cruz do Sul, concedeu ao deputado federal Heitor Schuch (PSB-RS) uma liminar de busca e apreensão do jornal especial da CUT-RS contra a Reforma da Previdência (PEC 287/2016), que foi proposta pelo governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB) e tramita no Congresso Nacional.

Um oficial de justiça esteve na manhã desta quinta-feira (2) na sede da entidade, em Porto Alegre, porém os 100 mil exemplares impressos já tinham sido distribuídos aos comitês sindicais e populares, que estão sendo organizados em todo o Estado contra a reforma da Previdência. No entanto, conforme a liminar, a publicação teve que ser retirada do site e das mídias sociais da entidade.

A assessoria jurídica da CUT-RS vai recorrer para tentar cassar a liminar.

O jornal, com quatro páginas, apresenta perguntas e respostas sobre os principais retrocessos da reforma da Previdência e traz as fotos dos deputados e senadores que apoiam o governo Temer no Congresso, com orientações aos trabalhadores. “Acompanhe de perto as manifestações da bancada gaúcha que apoia o governo Temer e exija que votem contra a Reforma da Previdência. Se você entrar na luta, a Reforma não passa. Vamos juntos construir a Greve Geral”, diz o texto.

Para o secretário de Comunicação da CUT-RS, Ademir Wiederkehr, trata-se de uma censura descabida ao trabalho de divulgação da entidade sobre o conteúdo nefasto da reforma da Previdência. “Queremos exercer a liberdade de expressão e o nosso direito de informar sobre os malefícios que essa reforma do governo golpista de Temer quer impor aos trabalhadores”.

Solidariedade

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e a campanha Calar Jamais! divulgaram nesta sexta-feira (3) uma nota, onde “repudiam esse episódio e se solidarizam com a luta dos trabalhadores contra a reforma da Previdência”.

“Seguiremos lutando pelo exercício da liberdade de expressão e do direito à comunicação”, ressalta o FNDC.

 

Fonte: CUT-RS